Excelência na Vida Cristã

Publicado: fevereiro 14, 2011 em Mensagem Powerpregadores

Confira o esboço em Slide da Mensagem que preguei ontem na AD Pedro Miranda 2!

Anúncios

O Peixe morre pela Boca!

Publicado: fevereiro 11, 2011 em Reflexão

“A boca fala daquilo que o coração está cheio” (Lucas 6:45).

As palavras de Jesus viraram sabedoria popular. Este verso reflete uma verdade: para descobrimos nossas paixões, basta notarmos quais são os nossos assuntos mais recorrentes.

A habilidade de comunicação através de conversas e idiomas é exclusiva do ser humano, a quem Deus dotou deste privilégio. Mas este dom é acompanhado de uma responsabilidade. Como usamos a nossa lingua? Em que direção inclinamos os nossos ouvidos? Muitos poetas e músicos já expressaram em sua arte o quanto as palavras machucam mais do que agressões físicas.

Nossas conversas estimulam o bem geral, em tom conciliador, ou são expressas mágoas que desestabilizam o ambiente, seja no trabalho, na família ou na igreja? Quão edificante é aquilo que falamos?

Dentre muitos conselhos divinos sobre este assunto, um se destaca: “Evite as conversas inúteis e profanas, pois os que se dão a isso prosseguem cada vez mais para a impiedade” (2 Timóteo 2:16). As discussões tolas não nos acrescentam nada. Nossas falas devem fazer a diferença, tanto para benefício próprio como para o bem comum.

Pense nisso, e vamos melhorar nossas conversas! O Peixe morre pela boca, e você e eu?

Profira Bençãos, que nossos assuntos sejam edificantes!

Tenha um lindo dia!

Paz e Bençãos,

A onde nos Colocaram?

Publicado: fevereiro 10, 2011 em Reflexão

“E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam.”  Atos 3:2

Esse homem de Atos 3 tinha um problema congênito, ele nasceu paralitico. Atos 4:22 diz que esse mesmo homem tinha mais de 40 anos. O texto que estamos refletindo diz “que era trazido”, “o qual todos os dias punham à porta”, “para pedir esmola”.

Amados, apesar de este homem ter nascido coxo. Ele não tinha nascido para pedir esmola, ele foi condicionado a isso! Todos os dias colocavam ele ali! Nós somos resultado de nossa criação! O que você foi condicionado a fazer? Como você foi criado? Com brigas, copos e pratos voando, abusaram de você, você presenciou infidelidade, tendo que mendigar para comer um prato de comida, desonestidade, incostância, esmolas, esmolas, esmolas?

Amado(a), não sei o que você foi condicionado a fazer! Não sei quanto tempo você foi condiocionado, 20, 30, 40, mais de 40? Mas eu sei que um dia esse homem em vez de esmola ele abriu o coração para receber algo muito melhor, ele foi curado de sua parilisia é verdade: “E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram.” (Atos 3:6,7)

Mas a História não termina aqui! “E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus.” (Atos 3:8) Amado, aleluia! Agora a VERDADE sobre a vida daquele homem veio a tona! Não mais mentira, engano norteariam a vida daquele homem e sim a verdade de Deus! Deus te diz hoje: Levante-se, ande, você é capaz. Não importa ao que você foi condionado! Deus Ele muda a sua História se você crer! Agora esse homem podia andar, saltar e louvar a Deus! Sua vida mudou, e a sua se você crer vai mudar tambêm! Creia e receba a cura!

Tenha um lindo dia!

Paz e Bençãos,

Protagonistas da Liberdade

Publicado: fevereiro 9, 2011 em Reflexão

“E o povo creu; e quando ouviram que o Senhor visitava aos filhos de Israel, e que via a sua aflição, inclinaram-se, e adoraram”. Êxodo 4:31

Amados Moíses foi chamado, levantado e vocacionado por Deus para ser um instrumento de Deus para a libertação do povo Hebreu, após 430 anos de sofrimento, dor, humilhação, de pura escravidão no Egito. Este povo cansado, angustiado pela escravidão agora podia enchergar uma Luz de Esperança, uma razão para acordar, lutar e conquistar! Moisés aceitou o desafio de ir aos cativos, mesmo correndo riscos, Moisés se dispos a levar a mensagem de Liberdade e de liderar o povo! Ele contemplou a Fé brotando em cada coração, a Palavra diz: “O povo creu”.  Que alegria! Aleluia! Em uma terra permeada pela idolatria, agora o povo Hebreu poderia adorar e buscar o único Deus! Moisés guiou este povo até a terra Prometida!

Se atentarmos ao nosso redor, veremos um número incontável de pessoas que estão em um estado de confusão, ansiando por alguém que lhes ajude no caminho rumo à eternidade. Voce pode e deve ser instrumento do Libertador, o Deus de Moisés é o mesmo que hoje espera que voce faça a sua parte pelos Seus filhos.  Como Moisés, mais que presenciar, voce pode participar dos milagres realizados por Deus em favor do Seu povo. Basta que aceite Sua vontade e cumpra, com fidelidade, o que Ele pede. Faça isto e participe da alegria de ser um legítimo representante do Eterno, do Salvador, do verdadeiro e único Libertador.

Tenha um lindo dia!

Paz e Bençãos,



Acesse o esboço em slides desta mensagem que preguei na Igreja AD Pedro Miranda II

Clique no link a baixo!!!

Despertando para um Novo Tempo

O Preço

Publicado: fevereiro 7, 2011 em Reflexão

Para uma criança pobre pode ser motivo de perplexidade ver os brinquedos de uma criança rica. Brinquedos que a ela pareceriam o supra-sumo do gozo, que ela sonharia febrilmente em ter, estariam na casa da criança rica quebrados ou largados no ostracismo de alguma caixa empoeirada. Por que aquilo que é um tesouro para uns pode ser motivo de desprezo e descaso para outro? Aquilo que se ganha com freqüência e que cai no nosso colo sem esforço, tende a não valer muito para nós. E é assim que muitas vezes lidamos com a salvação em Jesus Cristo.

O próprio termo que designa a forma pela qual somos salvos insinua essa percepção: graça. Somos salvos pela graça, somos salvos de graça. Não existe nada que o Salvador espera que façamos antes de nos salvar, então a cruz está aí, como o destroço salvador de um naufrágio, só precisamos abraçar.

Só somos capazes de desprezar ou menosprezar a salvação porque escolhemos ignorá-la ou porque cultivamos essa idéia de graça barata, de algo que, de tão fácil, não tem grande valor, podemos dar a atenção a isso mais tarde, vai estar sempre aí.

Acontece que a graça só é “barata” para quem recebe. Para Quem dá, ela custa tudo. Morris Venden, um entusiasta da graça e um dos expositores mais didáticos dela que eu conheço. Ele ilustra esse ponto da seguinte forma: ele, um pastor, está trafegando por uma estrada em velocidade excessiva. É parado por um guarda, que aponta para seu erro. Ele tenta se explicar, fala do velório no qual precisa falar e para o qual está atrasado. O guarda compreende a situação, mas, ao invés de simplesmente deixar de multar o pastor, ele aplica a multa. Ele diz que a lei precisa ser respeitada e a lei exige que, ante uma tal infração, a pena seja cominada. Só que, por se compadecer da situação do pastor, ele mesmo leva a multa até a cidade e a paga.

A salvação não é um passar a mão na cabeça da criança bagunceira e dizer que está tudo bem. É um Deus que se doa e passa a sentir os espinhos e pregos em Sua própria pele, é o divino sentindo-se desamparado, solitário, incompreendido e alquebrado, para que os desamparados, solitários, incompreendidos e alquebrados pudessem ter esperança e viver da forma como Ele idealizou para ser. A salvação tem um preço altíssimo. Desprezá-la é enfiar aqueles cravos um pouco mais fundo na agonia dEle.

Sempre que penso na enormidade da salvação, lembro de Paulo, que ao encontrar Jesus teve os olhos cobertos por um tipo de escamas. Conosco é o dia-a-dia e nossa propensão ao egoísmo mais extremo que nos tampa a vista. De quando em quando precisamos que as escamas caiam para que vejamos.

(Enviado por Marco Aurélio)

Tenha um lindo dia!

Paz e Bençãos!

Andrey Quadros

Existe algo que nunca muda!!!

Publicado: novembro 23, 2010 em Reflexão

Estamos em meio a uma revolução. Segundo um perito em informática que ouvi em uma palestra há pouco tempo, estamos vivendo uma revolução sem precedentes nos últimos 5.000 anos, desde que os sumérios inventaram a escrita, e, ele arriscava dizer, sem precedentes pelos próximos 5.000 anos também.

Se tomarmos um homem médio da Europa feudal, as condições de vida da Europa em plena Revolução Industrial seriam absolutamente impensáveis. Qualquer sistema que fugisse à dinâmica vassalo/suserano, plebe/nobreza, fiel/clero, seria impossível de se prever. Foram necessários séculos para o ambiente se revolucionar.

Você e eu provavelmente crescemos em um mundo dividido entre capitalismo e socialismo, e a verdade é que ele não se encontra mais assim. Que tipo de sistema governará o mundo daqui a alguns anos? É impossível dizer. A revolução digital é realmente impressionante, está transformando as relações humanas em todos os níveis. Em muito pouco tempo, os especialistas vaticinam, praticamente tudo será feito pela internet, praticamente todos terão sua assinatura digital, boa parte dos contatos pessoais será substituída por contatos virtuais, incluindo-se aí até mesmo coisas como audiências judiciais e cirurgias complexas. Hoje mesmo, alguém com um notebook mais possante pode, de seu escritório, valendo-se da tecnologia wireless vasculhar os computadores de todos os seus vizinhos, desde que conheça um ou dois truques. Os juristas quebram a cabeça para saber se suas leis cunhadas para o mundo presencial ainda têm validade no mundo virtual, especialistas em segurança andam com ar apavorado por aí, pais não sabem como regrar a utilização do computador pelos filhos… e a lista não tem fim. A revolução está em andamento, e no momento em que escrevo essas linhas estou vivendo em um mundo necessariamente diferente e muito mais atrasado do que o mundo no qual você está me lendo.

Ora, as revoluções transformam as relações humanas em todos os níveis, isso é fato. Mas também é fato que há algo que elas não transformam. Estou falando do próprio homem. Este continua o mesmíssimo ao longo dos séculos. Continua absolutamente dependente de comida, de ar, de água, de sol. Continua fulcralmente dependente de aceitação por uma coletividade, de um gesto de carinho, de um cafuné. Continua com muito medo, da morte, da vida, do futuro, dos outros. Continua sofrendo solidão (não há e-mail na minha caixa? Não há comentário em meu blog? Ninguém me vê? Alguém sabe que eu existo?), separação, impotência para mudar a realidade, fragilidade. Continua se iludindo, se enganando, se maltratando. Continua correndo atrás do que lhe agride, de satisfação de vontades controláveis, de pequenos prazeres cuja relação custo-benefício é escancaradamente desfavorável. Continua, sobretudo, carente de salvação.

Esteja o homem onde estiver, na linha do tempo: em algum momento antes de Cristo, na Europa selvagem dos primeiros anos depois dEle, durante a idade Média, durante a revolução industrial, no meio da guerra fria, agora, amanhã, depois, não importa; esteja onde estiver, o convite continua o mesmo, e igualmente eficaz: vinde a Mim vós, que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei (Mateus 11:28). Independentemente do mundo que venha por aí, a solução está em atender este convite.

Venha para Cristo! Paz e Bençãos!